Obs.: a página impressa não é necessariamente idêntica à página exibida na tela.
Voltar ao topo.
Oeste Capital 93.3 FM
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora: Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

EUA aprovam nova droga anti-HIV

AnteriorPróximo
« Anterior« Última» Próxima» Primeira
ImprimirReportar erroTags:cc0, mostraram, aleatoriamente, tomou, continuou, prévio, resultados e eficaz293 palavras4 min. para ler
EUA aprovam nova droga anti-HIVVer imagem ampliada
Os Estados Unidos aprovaram um novo medicamento que impede a ação do HIV-1 no organismo. Trata-se de uma combinação entre outros antirretrovirais já existentes no mercado: o dolutegravir e a rilpivirina. Entre os medicamentos da nova geração, o Juluca, como é conhecido comercialmente, é o primeiro a combinar dois compostos.


“A ciência tem tentado combinações para menor número de drogas, com menor toxicidade para esquemas de manutenção do tratamento“, diz Jamal Suleiman, infectologista do Emílio Ribas, hospital de referência em São Paulo. “E é isso que esse medicamento faz“. “Depois do tratamento mais eficiente de nova geração, esse é o primeiro com somente duas drogas“, diz Esper Kallás, infectologista e professor da Faculdade de Medicina da USP. A nova geração de antirretrovirais tem como principal característica o fato de possuírem menos efeitos colaterais que tratamentos mais antigos -- como o efavirenz, que piorava sintomas de pacientes psiquiátricos.
Segundo o FDA (órgão americano similar à Anvisa), a eficácia do Juluca foi testada em dois ensaios clínicos com 1024 participantes. Eles foram divididos aleatoriamente: parte tomou o Juluca; e a outra continuou com o tratamento prévio. Os resultados mostraram que a droga foi eficaz em manter o vírus suprimido tanto quanto a terapia de referência.
“Por enquanto, é um medicamento de manutenção, com base nesses estudos que o FDA analisou“, diz Suleiman. “Então, será necessário começar o tratamento com outros medicamentos. E aí, quando a carga estiver indectável, começar a usar essa droga.“ O medicamento aprovado nesta terça-feira (21) deve ser utilizado em pacientes com supressão do vírus ao menos por seis meses (ou seja, que estivessem usando outros tratamentos). Também ele não deve ser administrado em indivíduos que já apresentaram resistência a alguns dos componentes da nova droga.
Fonte: Bem Estar


Foto: PixabayCreative Commons CC0 

Fonte:G1
Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Últimos recados

AnteriorPróximo

Curta o nosso site!

AnteriorPróximo