Voltar ao topo.Ver em Libras.
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora: Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Presidente do Zimbábue é afastado da liderança do partido

« Mais recente🔀🛈Categoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:mugabe, presidente, partido, foi, sua, cargo, líder e saída302 palavras4 min. para ler

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, foi demitido do cargo de líder do partido ZANU-PF nesta domingo (19), e substituído por Emmerson Mnangagwa, ex-vice-presidente do país. Com a saída de Mugabe do cargo de líder do partido, segundo a Reuters, abre-se o caminho para sua saída efetiva da presidência, cargo que ocupa há 37 anos. Sua saída do cargo, no entanto, depende da aprovação parlamentar. Aos 93 anos, ele é o chefe de Estado em atividade mais velho do planeta.Mnangagwa, por sua vez, deve se tornar o novo líder do partido. Até poucos dias, ele era o vice-presidente do Zimbábue, até ser demitido por Mugabe. A mulher de Mugabe, Grace, que ambicionava suceder o presidente, também foi expulsa do ZANU-PF, de acordo com fontes da Reuters. De acordo com a agência Efe, a decisão foi estabelecida em uma reunião extraordinária convocada depois que os diretórios locais do partido retiraram seu apoio a Mugabe.
 
A crise no Zimbábue começou no início da semana, quando militares informaram ter começado uma operação contra "criminosos" próximos ao presidente Robert Mugabe, tomando as ruas e assumindo o poder. Isso aconteceu uma semana depois da queda do vice-presidente Emmerson Mnangagwa, que começava despontar como possível sucedor de Mugabe (e agora assume seu lugar na liderança do partido).
Mnangagwa foi demitido por deslealdade e sua saída foi vista como uma estratégia para ascender a primeira-dama Grace Mugabe ao poder. Mugabe e a esposa chegaram a ficar confinados em sua mansão de luxo, conhecida como "Blue Roof", por imposição dos militares. No sábado, um sobrinho do líder havia dito que ele estava "pronto para morrer pelo que é correto" e não tinha nenhuma intenção de deixar o poder.
Fonte: G1
Foto: Philimon Bulawayo/Reuters
 

 

Fonte:/G1

Últimos recados

Curta o nosso site!