Voltar ao topo.
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora: Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Empresa incubada na Uno inaugura a primeira fábrica de hidromel de SC

« Anterior« Última» Próxima» Primeira
ImprimirReportar erroTags:silva, jovens, pessoas, sabem, professor, povos, indígenas e tinham461 palavras7 min. para ler
Empresa incubada na Uno inaugura a primeira fábrica de hidromel de SCVer imagem ampliada
Evento de lançamento acontece neste sábado, em Xanxerê


 
A bebida mais antiga da humanidade agora está oficialmente no Velho Oeste Catarinense. Neste sábado (12/11), a Campina da Cascavel, primeira indústria de hidromel de Santa Catarina, inaugura oficialmente a sua fábrica com uma festa gratuita e aberta para a comunidade. O evento está marcado para às 15h, e conta com shows, cervejas artesanais, gastronomia e, claro, muito hidromel.
Localizada em Xanxerê, a Campina da Cascavel é a primeira hidromelaria de Santa Catarina e uma das pioneiras no Brasil. Produz a bebida de forma artesanal desde 2012. Em 2013, a empresa foi incubada na Incubadora Tecnológica da Unochapecó, a Inctech, e no ano passado passou a produzir e comercializar o hidromel Velho Oeste em todo o país. Atualmente, a fábrica produz 12 mil litros por ano e trabalha principalmente com bares e restaurantes. Além disso, o mel utilizado na elaboração da bebida é todo adquirido por meio da agricultura familiar da região, favorecendo os produtores locais.
O hidromel é feito basicamente de água e mel, mas também tem versões a partir de especiarias e frutas. Atualmente, a fábrica produz dois tipos, o tradicional e o hidromel com hibisco. O processo de produção leva aproximadamente seis meses.
Apesar da bebida ainda não ser muito conhecida na região, o estudante de engenharia química da Unochapecó e um dos sócios da fábrica, Maurício Gehlen, conta que, aos poucos, a bebida tem conquistado apreciadores, principalmente pelo contexto histórico e sabor único que possui.
O nome Campina da Cascavel, segundo o físico e sócio da hidromelaria, Silvio Fiorentin Neto, significa Xanxerê na língua indígena Kaingang. O que muitas pessoas não sabem, segundo Silvio, que também é professor da Unochapecó, é que os povos indígenas da região tinham como hábito produzir hidromel antigamente. Essa também é uma das razões que motivam os jovens empreendedores a acreditar que o Oeste Catarinense pode, futuramente, se tornar referência na produção da bebida no Brasil.
Também são sócios do empreendimento, o acadêmico de engenharia de alimentos da Unochapecó, Eduardo Dal Magro, o acadêmico de química da UFSC, Breno Luis Fiorentin, e o estudante de psicologia da FURB de Blumenau, Jaferson Luiz Frizzo.
 
História do Hidromel
O hidromel era consumido na Roma e na Grécia Antiga, mas é muito lembrado por estar presente na cultura dos celtas, saxões e vikings. Outra curiosidade diz respeito a uma tradição irlandesa. Antigamente, os casais recém-casados da Irlanda deveriam consumir a bebida  durante o primeiro ciclo lunar (ou mês) após o casamento. E foi então que surgiu a tradição da Lua de Mel. Além disso, a Mitologia Nórdica apresenta o hidromel como a bebida favorita dos deuses.


Fotos: Unochapecó Eduardo Dal Magro, Maurício Gehlen e Silvio Fiorentin Neto, sócios da Campina da Cascavel


Fonte: assessoria de imprensa - Francesco Silva

Fonte:Unochapecó
Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Últimos recados

Curta o nosso site!