Obs.: você está visualizando a versão para impressão desta página.
Voltar ao topoVer em Libras
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora:Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Em 2016, 24,8 milhões de brasileiros viviam na miséria, 53% a mais que em 2014#

« Mais recente🔀Categoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:população, acesso, ibge, restrição, tinha, pobreza e país348 palavras3 min. para ler

O Brasil encerrou o ano de 2016 com 24,8 milhões de brasileiros vivendo com renda inferior a ¼ do salário mínimo por mês, o equivalente a R$ 220. O resultado representa um aumento de 53% na comparação com 2014, quando teve início a crise econômica no país. Isso significa que 12,1% da população do país vive na miséria, conforme aponta a Síntese de Indicadores Sociais (SIS) divulgada nesta sexta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Em nível internacional, o Banco Mundial considera como situação de pobreza extrema a linha de US$ 5,5 por dia para consumo individual. Em 2016, esse valor correspondia, no Brasil, ao rendimento mensal de R$ 387,15 por pessoa, de acordo com o IBGE. Com base nesta classificação, havia no país 52,2 milhões de brasileiros em pobreza extrema. A maior proporção de pessoas nesta condição foi observada no Maranhão (52,4% da população local), e a menor em Santa Catarina (9,4% da população local).
Ao ampliar a análise da pobreza para além da renda, ou seja, para questões relacionadas à saneamento básico e educação, o IBGE constatou que, em 2016, 64,9% do total da população brasileira possuía ao menos uma característica que o colocava no que o IBGE classifica como "pobreza multidim Segundo o IBGE, "a evolução de indicadores monetários pode diferir de indicadores não monetários de tal forma que o crescimento econômico não seja suficiente para garantir progresso”. A partir desta reflexão, o instituto avaliou, além da renda e do acesso a saneamento básico, o acesso à educação, à proteção social, à moradia adequada e à comunicação e concluiu que:
·         28,6% da população tinha restrição de acesso à educação
·         15,2% população tinha restrição de acesso à proteção social
·         12% da população tinha restrição de acesso às condições adequadas de moradia
·         37,9% da população tinha restrição de acesso aos serviços de saneamento básico
·         32,1% população tinha restrição de acesso à comunicação (internet)
O IBGE enfatizou que "o acesso a direitos é uma questão fundamental para se ter um desenvolvimento inclusivo” e que a análise destes dados "é relevante para direcionar políticas” públicas para se combater a pobreza no país.
Fonte: G1
Foto: Hygino Vasconcellos/G1
 
 
 

 

Últimos recados#

Curta o nosso site#

Este site usa cookies para melhorar a navegação.
Termos legais e privacidadeOpt-out