Voltar ao topo.Ver em Libras.
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora: Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Chapecó realiza levantamento para diagnosticar presença do mosquito da dengue

« Última» Primeira🛈
ImprimirReportar erroTags:coberto, quarteirão, perdas, devido, impedimentos, fechados, recusados e realizadas332 palavras5 min. para ler
Chapecó realiza levantamento para diagnosticar presença do mosquito da dengueVer imagem ampliada
Para conhecer melhor os números da dengue em Chapecó, os profissionais de saúde iniciam na quinta-feira (12) mais uma edição do Levantamento de Índice Rápido de Aedes aegypti (LIRAa) – uma ferramenta para saber qual é o tamanho da infestação no município. Os 219 focos encontrados até então em Chapecó foram identificados em pontos estratégicos que são visitados com regularidades pelas Agentes de Combate às Endemias. 

O Levantamento de Índice Rápido de Aedes aegypti (LIRAa) é a metodologia recomendada pelo Ministério da Saúde para a determinação do Índice de Infestação Predial (IIP) do mosquito vetor da dengue (Aedes aegypti). Através da amostragem de imóveis do município, é possível realizar de forma imediata um diagnóstico da situação da presença do mosquito na cidade.

Durante a realização do Liraa, as equipes passam a visitar e coletar também na comunidade. O objetivo é conhecer os pontos mais críticos e mapear onde os trabalhos precisam ser reforçados.

Durante os dias de visitas, os profissionais passam por 20% de cada bairro, através do trabalho de 30 pessoas. Essa metodologia tem sido empregada em Chapecó desde 2009. Conforme a metodologia do LIRAa, são sorteados os quarteirões que serão visitados pelos agentes. Considerando as perdas devido a impedimentos (imóveis fechados ou recusados), as visitas foram realizadas em todos os imóveis abertos do quarteirão.

O último Liraa realizado em Chapecó aconteceu em 2019, entre os dias 28/10 a 01/11. O índice de infestação predial foi de 2,8, ou seja, considerado de médio risco. Foram visitados 3.500 imóveis e encontrados 108 focos. Na classificação, índices menores de 1, são considerados satisfatório, de 1 à 3,9 são índices de alerta; e maiores de 3,9 são considerados índices de risco.

O pedido da Secretaria de Saúde é para que a população receba os Agentes de Combate as Endemias e siga as orientações repassadas pela equipe. Além disso, é necessário eliminar os depósitos que possam acumular água e fazer uma vistoria no terreno para recolher todos os possíveis criadouros. Tampas, garrafas, potes, vidros, enfim, tudo precisa ser recolhido e colocado adequadamente nas lixeiras ou armazenado em local coberto.

Fonte:ClicRDC, Foto: Reprodução/Prefeitura de Chapecó

Últimos recados

Curta o nosso site!