Obs.: você está visualizando a versão para impressão desta página.
Voltar ao topo.Ver em Libras.
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora:Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Arrecadação federal reage e sobe 10,7% em agosto, para R$ 104,2 bilhões

« Mais recente🔀🛈Categoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:agosto, arrecadação, bilhões, foi, aumento, passado e resultado228 palavras3 min. para ler

A arrecadação federal, o que inclui impostos, contribuições federais e outras receitas, como royalties pagos ao governo por empresas que exploram petróleo no país, totalizou R$ 104,2 bilhões em agosto, informou nesta quarta-feira (20) a Secretaria da Receita Federal. Na comparação com o resultado da arrecadação de agosto do ano passado, houve um aumento real, ou seja, após descontada a inflação, de 10,78%, de acordo com dados oficiais. Trata-se do melhor resultado da arrecadação para meses de agosto desde 2015 (R$ 104,66 bilhões). Este também foi o maior aumento mensal registrado em 2017.O resultado geral da arrecadação foi ajudado pelas receitas do governo com "royalties" do petróleo, que avançaram 18,68% em termos reais, em agosto, para R$ 1,97 bilhão. Mas, diferente de outros meses, em agosto a arrecadação também foi impulsionada pela chamada "receita administrada", que inclui impostos e contribuições federais, e que teve alta real de 10,64%, para R$ 102,22 bilhões. As comparações foram feitas com agosto do ano passado. Segundo o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias, o avanço da arrecadação em agosto pode ser explicado mais especificamente pelo:
·                  aumento da tributação sobre combustíveis, que garantiu ao governo R$ 800 milhões no mês passado;
·                  Ingresso de receitas do Refis (parcelamento de tributos), no total de R$ 3 bilhões;
·                  e o retorno do crescimento da economia.
Fonte: G1
Imagem: Arquivo
 

 

Últimos recados

Curta o nosso site!

Guardamos estatísticas de uso e utilizamos cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais em nossa política de uso.